Autor

Carlos Morgado

O meu tesouro
Como o chilrear dum pássaro na aurora
Um botão duma flor gotejante de orvalho
Um rugido feroz dum despertar sonolento
O meu tesouro vive escondido no calor duma gruta.
Uma gruta serena de beleza infinita
Um suave erguer duma carne de volúpia
Uma surpresa resguardada das intempéries
O meu tesouro vive escondido num manto de véus.
Vive suave em metabolismo decorado
E corre-lhe nas veias um suco celestial.
Não o sinto, pressinto-o num agitar,
Numa leve tontura da minha louca ânsia.
É penoso e belo o caminho por onde te espero,
Aguardar-te de céu límpido enegrecido no horizonte
E o meu trilho, agora ordenado para ti,
Tem um rasto suave do teu leve pisar.

google play
ibook store
amazon kindle

Biografia

Carlos Alberto Sampaio Morgado nasceu a 9 de Julho de 1946, na Cidade de Tete.

Fez os seus estudos até o nível secundário na Cidade da Beira e frequentou a Universidade de Lourenço Marques, até se graduar como Engenheiro Electrotécnico, em 1970.

Participou activamente na luta pela independência nacional, especialmente no seio dos movimentos estudantis e cedo se filiou na sua amada Frelimo – a sua primeira paixão. Em vida, só aceitou trair o seu partido, amando loucamente a sua família (e a Matemática).

Iniciou a sua carreira profissional, em 1970, na então DETA, actuais Linhas Aéreas de Moçambique, onde desempenhou várias funções, começando como engenheiro de manutenção. Foi nomeado Diretor Técnico em Maio de 1980, tendo tido sempre funções de gestão até ao ano de 1999, ano em que saiu da LAM.

Desempenhou, em simultâneo e durante o seu percurso como Diretor Geral Adjunto da LAM, várias outras funções, com destaque para as de Presidente do Conselho de Administração do Casino Hotel Polana, e Administrador Representante das Linhas Aéreas Africanas na SITA.

No final de 1999, contribuiu activamente para a organização das eleições presidenciais moçambicanas, que se realizaram no mesmo ano, como membro vogal da Comissão Nacional de Eleições (CNE). Em Janeiro de 2000 foi nomeado Ministro da Indústria e Comércio, pelo então Chefe de Estado Joaquim Chissano, cargo que exerceu até Fevereiro de 2005.

Até à data da sua morte, exerceu as funções de Presidente do Conselho de Administração do Grupo Pestana em Moçambique.

Foi casado duas vezes e teve quatro filhos: Bruno, Ruben, Marco e Pedro. Em virtude da sua crença de que a riqueza se gera e se centra numa família saudável e recheada de filhos, juntaram-se ao prol, o Jahir, o Zaza,o Assif e o Ricardo – só rapazes!

Os princípios que guiaram a sua vida, nomeadamente a honestidade, a honra, a devoção por causas nobres, o amor ao próximo e a vontade louca de ver Moçambique prosperar, são os alicerces da existência da Fundação Carlos Morgado, que pretende cultivar e perpetuar estes valores.

Faleceu a 15 de fevereiro de 2007, deixando um nome de grande homem, de grande patriota e uma família capaz de perpetuar o seu nome.

Lançamento

O evento realizou-se no dia 9 de Julho de 2015 no espaço cultural da Fundação Fernando Couto em Maputo e pretendeu recordar o legado de Carlos Morgado. O programa incluiu declamação de poesia, exposição de pintura e música moçambicana. Nilza Laice, Mauro Brito e Lucrécia Noronha foram os declamadores da noite. Os quadros por Ricardo Pinto Jorge, Ídasse Tembe, Eugénio Saranga, Victor Sousa e trabalhos seleccionados do Campo de Férias Carlos Morgado 2014. Na musica e dança estiveream presentes o Massacre de Mueda, e as actuações de Matchume Zango, Luka Mucavele, Luisinho & Regina e os TP50. Uma noite inesquecível...

Quem somos...

Nós somos uma organização sem fins lucrativos moçambicana que visa reforçar o desenvolvimento de Moçambique e melhorar a vida dos moçambicanos vulneráveis.

O que fazemos...

Trabalhamos com as partes interessadas para conceber e implementar programas em infra-estrutura, educação, saúde e desportos infantis para criar impacto positivo e sustentável.

Como fazemos...

Envolvemos as comunidades, governo e sector privado como parceiros para partilhar responsabilidades em direcção aos objectivos comuns.